A Esclerose Múltipla

  •  O QUE É A EM

    A Esclerose Múltipla, muitas vezes abreviada como EM, é uma doença neurológica que afeta os nervos no cérebro e na medula espinhal (coluna).

    A palavra Esclerose significa cicatriz ou endurecimento de pequenas áreas do corpo e a palavra Múltipla significa que isto ocorre em vários locais do sistema nervoso central.

    As áreas de esclerose são causadas por inflamação e destruição das fibras nervosas.

    A EM é uma doença crónica o que quer dizer que, uma vez diagnosticada, acompanha os doentes ao longo da sua vida.

  •  QUAL A CAUSA DA EM

    A Esclerose Múltipla é uma doença em que o sistema imunitário (as nossas defesas) tem uma resposta anormal e ataca as células nervosas no cérebro e na medula espinhal.

    O sistema imunitário ataca em especial o revestimento das células nervosas, conhecido por mielina, daí a esclerose múltipla ser habitualmente classificada como doença desmielinizante. No entanto, a própria fibra nervosa é também atacada e destruída.

    Não se sabe qual o motivo porque isto acontece mas julga-se que resultará de uma combinação de factores genéticos com factores ambientais, como por exemplo a deficiência em vitamina D ou uma infeção prévia pelo vírus Epstein Barr.

  •  QUEM É AFETADO POR EM

    A Esclerose Múltipla afeta cerca de 2,4 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 6 mil pessoas em Portugal.

    É a doença do sistema nervoso central (SNC) mais comum em adultos jovens. A maioria das pessoas com EM é diagnosticada entre os 20 e os 40 anos mas também pode aparecer em pessoas mais jovens ou mais velhas.

    As mulheres são quase três vezes mais afetadas pela doença do que os homens, embora em algumas formas de EM não haja qualquer diferença.

  •  QUAIS OS SINTOMAS DE EM

    Os doentes com EM podem ter uma grande variedade de sintomas conforme as áreas do cérebro ou da medula que forem atacadas.

    O sintomas podem variar de dia para dia o que torna a doença algo imprevisível. Na maioria dos doentes, os sintomas aparecem (surtos) e desaparecem (remissão). Ainda assim alguns sintomas são mais frequentes:

    • Fadiga
    • Dificuldades em andar
    • Perda de sensibilidade e dor
    • Problemas de visão
    • Problemas cognitivos (memória, raciocínio)
  •  COMO SE DIAGNOSTICA EM

    Não é fácil diagnosticar Esclerose Múltipla uma vez que nenhum dos sintomas da doença é específico da EM. Isto significa que é necessário excluir primeiro outras doenças.

    O diagnóstico é feito por neurologistas e começa sempre com uma avaliação clínica detalhada (exame neurológico). Os doentes fazem depois vários testes sendo o mais comum a ressonância magnética (RM).

    Para obter um diagnóstico de EM é necessário encontrar duas áreas diferentes de destruição no sistema nervoso. E estas áreas de destruição terão de ter ocorrido em momentos separados. A isto chama-se disseminação no espaço e no tempo, respectivamente.

  •  COMO SE TRATA A EM

    Não há ainda uma cura para a EM. Contudo estão disponíveis vários tratamentos que permitem controlar a doença ou, pelo menos, alguns sintomas:

    • Tratamentos Modificadores da Doença: reduzem a inflamação no SNC e reduzem ou impedem a sua destruição; os doentes respondem de forma diferente a estes medicamentos e, com frequência, têm de mudar de tratamento ao longo da vida
    • Tratamentos Sintomáticos: estes medicamentos são usados para tratar os surtos de forma rápida ou para controlar alguns sintomas crónicos (ex. problemas urinários, fadiga, depressão)
    • Reabilitação: pode ser física ou cognitiva

Baseado em What is MS, National Multiple Sclerosis Society
(acedido em 1 Dez 2016)